Uber e Lyft - estudo com resultados surpreendentes sobre acréscimo de emissões

Telmo Salgado

Moderator

Ora vamos lá ver onde estão avaliados os resultados...

Se seguirmos as linhas mestras, para melhor resolver o problema, deverá cada passageiro de táxi ou plataforma passar a fazer-se transportar de veículo pessoal, e isto implicará:

- aquisição ou aluguer de um veículo extra (mais custos, e no ciclo de vida do veículo, emissões e resíduos);
- mais tempo de estacionamento no destino (infraestrutura, custos);
- mais um veículo a circular no interior, incluindo zonas congestionadas... (infraestrutura, incremento de tempos improdutivos)

Parece-me a mim evidente que os estudos têm valor, mas também me parece evidente que este em particular só avalia um dos lados do problema.

Nota francamente negativa.
 
Valeria a pena ler o estudo, mas está por trás de uma paywall..

Sendo da Universidade de Carnegie Mellon, tendo a acreditar que foi feito com cuidado. Lendo o abstract:
On-demand ridesourcing services from transportation network companies (TNCs), such as Uber and Lyft, have reshaped urban travel and changed externality costs from vehicle emissions, congestion, crashes, and noise. To quantify these changes, we simulate replacing private vehicle travel with TNCs in six U.S. cities. On average, we find a 50–60% decline in air pollutant emission externalities from NOx, PM2.5, and VOCs due to avoided “cold starts” and relatively newer, lower-emitting TNC vehicles. However, increased vehicle travel from deadheading creates a ∼20% increase in fuel consumption and associated greenhouse gas emissions and a ∼60% increase in external costs from congestion, crashes, and noise. Overall, shifting private travel to TNCs increases external costs by 30–35% (adding 32–37 ¢ of external costs per trip, on average). This change in externalities increases threefold when TNCs displace transit or active transport, drops by 16–17% when TNC vehicles are zero-emission electric, and potentially results in reduced externalities when TNC rides are pooled.
es1c01641_0010.gif


Um dos maior problemas é na verdade a substituição de transportes de massa, ou seja, "é mais confortável ir de Uber do que de autocarro". De acordo com o abstract, triplica o aumento das externalidades!

Mas como dizes, há mérito nesta abordagem (a da eliminação do carro pessoal), se:
  • As frotas de ride-hailing forem elétricas;
  • As frotas de ride-hailing forem veículos mais pequenos;
  • As frotas de ride-hailing comecem a ter condução autónoma, com algoritmos de distribuição de oferta otimizada centralmente (em vez de cada condutor tentar otimizar a sua oferta);
  • Não substituir os transportes de massa;
  • Oferecer mais alternativas de capilaridade - bicicletas, trotinetes;
  • E, para os US especificamente, construir passeios para a malta andar - lá és literamente obrigado a pegar no carro para ir de uma loja para a seguinte.

Dito isto, não daria nota negativa. Diria que o Rei vai nu.
 
Top Inferior