Redução das emissões, os dirigentes e os afetados...

Telmo Salgado

Moderator
Staff

Não é fácil perceber bem os contornos destas guerras políticas, mas aparentemente a Califórnia conseguiu um acordo que anula, pelo menos neste Estado, os bloqueios da administração trump (letra pequena propositada, assumo).
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
O mundo americano de pernas para o ar... são os fabricantes auto a promover o baixo consumo/emissões...

Vergonha planetária.

https://blog.ucsusa.org/dave-cooke/four-automakers-stand-with-california-against-administration-rollback

Depois de receber um alerta teu, eis os construtores que efetivamente promoveram o baixo consumo ficando do lado da Califórnia:

BMW, Honda, VW e Ford.👏👏


Do outro lado da barricada, ou seja, pela administração Trump apoiando o rollback estão os restantes construtores, em particular a Toyota. (n)


Leva particular crítica pelo facto de ter sido o único construtor que efetivamente não reduziu (pelo contrário, aumentou ligeiramente) as emissões da frota que foi sendo balanceada com as vendas cada vez maiores de SUV. Os restantes construtores operaram pequenas modificações nos mais pesados, e melhoraram a sua média.

A Toyota promete uma melhoria no seu peso pesado Tacoma...mas ficou mal nesta fotografia....

https://blog.ucsusa.org/dave-cooke/toyota-tacoma-suffering-from-neglect-gets-pick-me-up-for-2025

Isto é um curto resultado, e aqui entre nós, mesmo que estes Atkinson não sejam os mais adequados para rebocar (uma quase exigência deste mercado) é com pouco investimento que isso se ultrapassa. A própria Toyota, dizendo que devemos ultrapassar as dificuldades, não o quer fazer?!
 
Última edição:

Telmo Salgado

Moderator
Staff

William Esteves

Active member
Em Portugal já se fala da descabornização do país!

Uma das medidas, será a divisão dos apoios de carro elétricos com soluções H2, no sentido de aplicar H2 no estado gasoso na rede nacional de gás natural à volta de 6%!

E de onde virá o H2 perguntam? Será ao que tudo indicada em Sines, produzido por electrolise com energia renovável! Já está em estudo a divulgação do contrato da instalação fotovoltaica de autoconsumo para esta finalidade ;)
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff

Reino Unido antecipou fim das vendas de carros com locomoção térmica para 2035.

Neste link já se esclarece que ficam todos de fora, mesmo os híbridos plu-in:
 

Bruno R. Almeida

Active member
Bom dia,

Creio que a medida seja extrema e todas as medidas extremas deixam-me sempre com um sentimento de dúvida.

A exclusão dos MCI puros entendo, dos Full hybrid, mais ou menos, dos PHV nem por isso.

Todos bem sabemos que na larga maioria das empresas que compram este tipo de veículos o grande facto de decisão é o incentivo fiscal, delegando para 2º plano a questão da possibilidade de carregamento, utilizando os PHV como híbridos normais.

Mas o particular, é minha convicção, que ao comprar um PHV tenta maximizar a utilização do modo EV, deixando a utilização do MCI para situações muito especificas e circunstanciais.

Mas também acredito que exista outros fatores que não temos conhecimento.
 

João Prates

Moderator
Staff
Não conheço os PHVs dos outros construtores ao ponto que conheço os do grupo Toyota, mas sei que no caso destes últimos isso é literalmente impossível.
Tendo em conta que catalizador frio em uso = catalizador morto em pouco tempo, custa-me a crer que deixem isso acontecer, a menos que queiram ganhar nas oficinas... :unsure:
 

William Esteves

Active member
@João Prates , a VW/BMW/Mercedes são simples motores Otto com pouca ou nenhuma adaptação ao que sabemos...
Ainda são todos recentes, desconfio da sua fiabilidade a longo prazo...

Veremos agora com a entrada do Euro 6-D como será a oferta destas marcas... A sua certificação é cada vez mais dura nos ciclos frios e a baixas potências.
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
(...) , a VW/BMW/Mercedes são simples motores Otto com pouca ou nenhuma adaptação ao que sabemos...
Ainda são todos recentes, desconfio da sua fiabilidade a longo prazo...
(...)
Pelo contrário, são algo antigos, com meia dúzia de anos, BMW 1.5 (3cil) e 2.0 (4cil)...e o VW - 1.4TSI um verdadeiro decano dos motores...
 

William Esteves

Active member
Pelo contrário, são algo antigos, com meia dúzia de anos, BMW 1.5 (3cil) e 2.0 (4cil)...e o VW - 1.4TSI um verdadeiro decano dos motores...
Recentes na sua variante PHEV, onde me surgem algumas dúvidas face à fiabilidade a longo prazo do sistema de controlo de emissões face à quantidade de ciclos frios que estes motores realizam.
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Já há quem avise que este corte radical nalgumas tecnologias de transição para zero-emissões-escape pode ter um efeito pernicioso de prolongar os tradicionais ICE puros.


"Including hybrids in the ban could prove to be counterproductive if it leads some drivers to hold onto petrol and diesel cars for longer," said James Fairclough CEO of AA Cars.

De facto o nivelamento por igual das tecnologias só porque "consomem combustível" é uma tremenda desonestidade e alheamento dos factos, é a minha opinião.
Se o objetivo é a redução de emissões locais, porque não adotar uma estratégia de gradação em vez de linhas de quebra?
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff

Bruno R. Almeida

Active member
@Telmo Salgado em matriculas novas, a gasolina até suplanta o gasóleo ( 109.661 vs 89.519) e essa será a parte mais positiva da noticia.

A preocupação resulta efetivamente dos 63.567 carros usados a gasóleo que "estamos" a importar, pois serão com certeza veículos com 4 ou mais anos com cilindrada superiores e com todos os problemas de emissão que bem conhecemos.

É o que somos, masoquistas, chicos-espertos, e na maior parte dos casos, falsos gestores de poupança familiar. Nem a calculadora nos vale.
Desculpa o tom mais grosso desta afirmação mas, qual falsos gestores de poupanças familiar? :mad::mad::poop:
A literacia financeira dos Portugueses é horrível. (desculpem os mais sensíveis) mas trabalhando numa instituição bancária principalmente relacionada com PME's, nunca vi tão pouco conhecimento sobre dinheiro no geral. E são estas pessoas supostamente estudiosas e com conhecimento sobre gestão financeira.

Agora, se estas não sabem, imagina o resto do panorama nacional, principalmente quando nas nossas escolas nem sequer existe essa preocupação ligada ao dinheiro, estudos empresariais,.... E muitos de nós (incluo-me nesse lote) em que os pais por muito boa vontade que tenham em ensinar, também não tem as bases para o fazer.

Como tal, até é "natural" os portugueses terem este tipo de comportamentos.
 
A literacia financeira dos Portugueses é horrível. (desculpem os mais sensíveis) mas trabalhando numa instituição bancária principalmente relacionada com PME's, nunca vi tão pouco conhecimento sobre dinheiro no geral. E são estas pessoas supostamente estudiosas e com conhecimento sobre gestão financeira.

Agora, se estas não sabem, imagina o resto do panorama nacional, principalmente quando nas nossas escolas nem sequer existe essa preocupação ligada ao dinheiro, estudos empresariais,.... E muitos de nós (incluo-me nesse lote) em que os pais por muito boa vontade que tenham em ensinar, também não tem as bases para o fazer.

Como tal, até é "natural" os portugueses terem este tipo de comportamentos.
Não somos ensinados a lidar com o dinheiro e estou em crer que é deliberado.
Se perguntares a qualquer average joe "Se passar de 10% para 15%, quanto foi o aumento em percentagem?", muito provavelmente a maioria das respostas será "5%".

 
Andam-se a importar muitos euro 5, sejam eles do genuíno dieselgate ou de outros "dieselgates" legais, como a janela térmica, o temporizador ou o sensor de carga...

Felizmente também vejo híbridos importados, e no que de mim depender, haverá a médio prazo mais um... Os Corollas estão a 18000€ em Espanha, mas de cada vez que passo por um IS300h fico a pensar...

Quanto aos ciclos frios dos plug in, desconheço se há algum sistema de aquecimento ou não, para contornar a situação.
 
Eis como nos caraterizamos, portugueses, amantes do lixo europeu só porque é barato:
(...)
É o que somos, masoquistas, chicos-espertos, e na maior parte dos casos, falsos gestores de poupança familiar. Nem a calculadora nos vale.
É de esperar que continue e muito provavelmente aumente a compra de veículos usados. Essa realidade, na minha opinião, por si só não é má, o que é mau é existirem fraudes associadas a esse comércio/atividade e que não haja uma cultura, instituída, nutrida e incentivada para uma correta manutenção dos veículos.
O primeiro a não ter interesse algum em que isso exista é o Governo: carros novos é garante de ISV, IUC, IVA e muitos outros à taxa máxima. E as Companhias de Seguros são as que vêm logo a seguir.
Depois ainda há a falácia da segurança: todos os dias de manhã, há por este país de norte a sul inúmeros problemas de trânsito, muita das vezes, complicações devido a acidentes; a maior parte das vezes, envolvendo veículos com menos de 10 anos, raramente se vê carros com 20, 30 ou 40 anos envolvidos nesses acidentes... e nos despistes nas auto-estradas, dificilmente se vê por lá envolvidos Renault 5 ou Fiat Uno da década de 1980.

Eu regularmente faço uso de um automóvel a gasolina com mais de 25 anos (apesar de usar também outros muito mais recentes também), automóvel esse que nem com um catalisador veio de fábrica, mas tenho a plena consciência que não ando a estragar o ambiente de ninguém, nem a matar criancinhas e velhinhos... porque esse carro não chega a fazer 2000km por ano, e o trajeto completo mais longo que anualmente ele faz, é o da ida ao centro de IPO, aí uns 30 km.
Assim sendo, obviamente que não o vou trocar por um diesel importado, muito menos sequer por um novo a gasolina ou elétrico.

Andam-se a importar muitos euro 5, sejam eles do genuíno dieselgate ou de outros "dieselgates" legais, como a janela térmica, o temporizador ou o sensor de carga...
Não deverá ser tanto assim; o grosso dos veículos usados deverá ter até 3-4 anos, isto porque, muitos deles têm origem em frotas de Leasing a 24-36 meses. Como a norma Euro 6 entrou em vigor pelo menos a partir de setembro de 2015, por essa via, carros Euro 5 não serão concerteza a maioria dos veículos importados.
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Não deverá ser tanto assim; o grosso dos veículos usados deverá ter até 3-4 anos, isto porque, muitos deles têm origem em frotas de Leasing a 24-36 meses. Como a norma Euro 6 entrou em vigor pelo menos a partir de setembro de 2015, por essa via, carros Euro 5 não serão concerteza a maioria dos veículos importados.
Permite-me discordar.


Tem dois anos esta notícia, mas destaco a idade média dos importados como sendo cinco anos à época.
Acredito pouco no "rejuvescenimento" em tão pouco tempo, e dado que estou atento aos espécimes que passam por mim na estrada, alguns com fraca condição do sistema de emissões e claramente modificados, tenho a perceção condizente com estes dados.
 

Pedro Tiago

Active member
Tem dois anos esta notícia, mas destaco a idade média dos importados como sendo cinco anos à época.
Acredito pouco no "rejuvescenimento" em tão pouco tempo, e dado que estou atento aos espécimes que passam por mim na estrada, alguns com fraca condição do sistema de emissões e claramente modificados, tenho a perceção condizente com estes dados.
E se tivermos em conta a desaceleração da compra de carros novos que está a ocorrer, ainda mais força ganha esta tua opinião!
 
Top Inferior