Novo estudo de apoio para normativa Euro 7

William Esteves

Moderator
E tudo indica de que a normativa EURO 7 irá diminuir consideravelmente os máximos admissíveis:



Fonte: EU Commission Pushes for New Euro-7 Emission Standards, Effectively Banning ICE from 2025
 

Luis Neves

Moderator
Tem em atenção que depois das desgraças passadas, os novos valores serão certamente para ser controlados em contexto real e não na base de ciclos de homologação. E isso fará muita diferença. Por outro lado o caminho da eletrificação está mais do que traçado, há cidades que taxam os híbridos que acedem ao centro como qualquer outro carro poluente, há cidades que planeiam proibir carros a combustão (sejam eficientes ou não). Tal como em Portugal um híbrido paga mais de IUC do que um diesel, não faz sentido, mas quando estes processos avançam de forma acelerada vai tudo à frente.

Se alguém conseguir cumprir com motores de combustão virá a seguir a Euro 8 a dar cabo de tudo. Não vale a pena resistir com tecnologias que em breve serão passado. E muitas marcas em breve serão também passado se não percebrem isto e se começarem a mexer rapidamente na direção que as pessoas e a regulação exisgem.
 

Telmo Salgado

Moderator
Se alguém conseguir cumprir com motores de combustão virá a seguir a Euro 8 a dar cabo de tudo. Não vale a pena resistir com tecnologias que em breve serão passado.

As tecnologias "em breve serão passado" estão na ótica europeia. Os 75% restantes do Mundo está ainda por eletrificar em seio de regulamentação. Negar que é necessário ainda investir nos MCI é tapar o sol com a peneira. 97%(*) de MCI novos a nível mundial (2020) mostram que existe muito para fazer em termos de motores térmicos.


At global level, battery electric cars (BEVs) and plug-in hybrid electric cars (PHEVs) using electricity characterised by the current global average carbon intensity of electricity generation (518 grammes of carbon-dioxide equivalent per kilowatt-hour [g CO2-eq/kWh]) emit a similar amount of GHG as hybrid vehicles and less GHGs than a global average ICE vehicle using gasoline over their life cycle.

Pela minha leitura, os ICE não híbridos é que são passado. Os híbridos fazem jogo igual com a rede elétrica atual, naturalmente vão perder a paridade com a crescente descarbonização da rede, desejável a todos os níveis.


(cálculo da percentagem)


2,250 milhões de veículos


Worldwide sales in 2019 look likely to fall by another 4% to around 77.5 million new vehicle sales.
 

William Esteves

Moderator
Como, nenhum MCI consegue isso?

edit: Toyota Prius Exclusive Liftback 5 Portas | Modelos e Especificações

Um motor de 2016, com base num motor de 2009.

Quem diz é um especialista Tesla? Se a Tesla fizesse MCI, acredito que não chegasse lá. :sneaky:

Estava a acabar a hora de almoço e já não tive tempo para analisar a fundo a notícia e tecer o meu comentário (que vai mais abaixo).


Caríssimo, a norma Euro 7 é para a europa e estamos no contexto da europa, onde até já há um páis com 75% de vendas de EV e PHV.

Se alguma marca desistir do mercado europeu para se concentrar em África e América do Sul, não me parece que esteja a ir por grande caminho de futuro....

A meu ver é sonhar demasiado alto achar que em 4 anos os MCI vão acabar seja onde for...
Puros MCI talvez, agora HV’s e PHV’s não.

O atual Prius 4G HV que saiu a uns bons anos faz:


CO, 129mg/km (O estudo aponta para 300~100mg, pelo que cumpre o primeiro patamar)
NOx, 3.3mg/km (O estudo aponta para 30mg, mais que cumpre)

Pelo que tenho de concordar com o @Telmo Salgado quando diz que se fala em demasia no fim dos MCI. O que irá haver é melhores soluções técnicas.

Quando vamos para o Prius 4G PHV é ainda melhor:

CO, 28.3mg/km (O estudo aponta para 300~100mg, mais que cumpre)
NOx, 3.7mg/km (O estudo aponta para 30mg, mais que cumpre)

Repara, o atual Prius 4G PHV que já saiu a uns anitos, cumpre estes valores limite da potencial normativa Euro 7 de 2025!

Não existe ainda a informação relativa ao novo Yaris HSD, porque tenho uma boa suspeita de que o carro já cumpre na totalidade as normativas de 2025.

Quem escreveu o artigo que eu partilhei, deverá viver numa bolha algo demasiada fechada... Já que da maneira que fala em 2025 aparenta que todas aquelas míticas marcas (Ferrari, Lamborghini, Bugatti, Porsche, etc...) ou viram 100% elétricos ou irão desaparecer. Ao escritor questionaria, será que vão mesmo? Daqui a 4 anos?
 

João Prates

Archie Bunker
Olá a todos. Aqui vai a minha apreciação pessoal:

Acho muito bem que a UE tenha coragem e vontade política para apertar os calos dos construtores automóveis, que como todos sabemos nunca fizeram nada de substantivo enquanto andavam como gostavam em "auto-regulação", que é como quem diz a fazer muito pouco face ao que poderiam (e deviam) fazer. É apenas uma pena que o resto do mundo não partilhe das mesmas preocupações, mas alguém tem de puxar pela caravana, e fico sinceramente orgulhoso que seja a velha UE a assumir olimpicamente esse papel.

Também acaba por não ser novidade para mim, como para outros membros bem informados desta casa, que a Toyota tenha cumprido com o normativo em estudo para 2025 há alguns anos atrás, e que veículos hoje a circular na estrada já com alguns anos e milhares de kms em cima estejam perfeitamente dentro dos valores de emissões propostos. Só mesmo gente que vive dentro de uma redoma no seu micro-cosmos sem informação de outras realidades em seu redor, de outras tecnologias, pode ser tão obtuso e afirmar à boca cheia que ninguém consegue cumprir com as normas propostas excepto os BEV. Olhar só para o umbigo nunca foi boa política/postura, e este é um belo exemplo.

Não obstante não deixa de ser verdade que as normas vão continuar a apertar, e se desta feita só a Toyota e algum punhado de outros fabricantes e/ou modelos escapam a este crivo da Euro 7, "amanhã" como refere o @Luis Neves virá uma norma, Euro 8, 9 ou 10 que efectivamente não vai permitir a subsistência de ICEs por mais evoluídos que sejam. Concordo por isso que esperar por esse dia para preparar caminho é inconcebível. Certamente a Toyota com a sua armada tecnológica toda e capacidade de R&D vai mais que a tempo de mudar de paradigma (embora já o devesse ter feito), mas tenho sérias dúvidas sobre muitos dos demais fabricantes. Para mim os outros vão ser "absorvidos" pelos grandes grupos auto que vão vingar; vamos ter muito menos marcas no futuro.

Hoje enquanto ajudava a preparar umas coisas para o jantar estava na cozinha com a TV pequena ligada e num só intervalo do noticiário devem ter passado uns 10 comerciais de automóveis eléctricos e PHV. Comentei com a minha mulher o extraordinário e impensável que isto era há apenas 1 ano atrás. Ele eram Nissan Leaf, Smart EQ, Peugeot, Citröen, Audi, e sei lá mais quem... Seat... ora quem ia pensar que a marca daquelas chaleiras a vapor que deitam mais carvão pelo escape que o velho comboio do Tua iam fazer anuncios de PHV em horário nobre... pois é... Estão à rasca, as multas estão aí, os TCO começam a ficar incomportáveis pelas pessoas que vêm o seu poder de compra reduzido, as quotas de vendas estão por cumprir... ah pois... toca a dar corda aos sapatos, digo, às rodas!
 
Top Inferior