Mercedes abandona R&D de motores de combustão

João Prates

Moderator
Staff
Notícias bombásticas, vindas afinal como o Elon Musk bem refere de parte do construtor que inventou o MCI.


É um momento cheio de significado e um enorme alarme para os demais construtores automóveis.
Quando o próprio inventor chega à conclusão que chegou a altura de parar de investir do desenvolvimento continuado da sua invenção... wake up call!

 

Joaquim Silva

New member
Este género de "notícias" até poderá ser interessante, mas como não encontro até esta data evidências fidedignas que a corroborem, isto para mim fica na pasta "invenções".
Claro que poderei muito bem estar a procurar nos sítios errados, uma vez que não uso nada disso Social como os twits e livros dos focinhos, entre outros...
 

João Prates

Moderator
Staff
não encontro até esta data evidências fidedignas que a corroborem
Não percebi. :cautious:
O link que dei da entrevista original ao responsável pelo R&D da Mercedes, onde este produziu as afirmações referidas, não é fidedigno para ti?

Claro que poderei muito bem estar a procurar nos sítios errados, uma vez que não uso nada disso Social como os twits e livros dos focinhos, entre outros...
Está tudo no post que fiz, basta ver o que está "à frente do nariz" como se costuma dizer.
Está uma pessoa com cuidado a incluir todas as referências/fontes e depois leva com respostas destas... é frustrante. 😓
 

Joaquim Silva

New member
Sim eu vi as referências mencionadas, o problema é que empresa não fez nenhuma comunicação inequívoca de que abandona as atividades/investimentos de R&D em motores de combustão. Isto tudo está associado a uma entrevista para a revista Auto-Motor und Sport em que um elemento da Daimler confidencia que a empresa está a reduzir o peso do R&D nessas atividades.
Isso é absolutamente natural, grande parte do portfolio atual é compatível com Euro 6d, existem muitos territórios que nem sequer exigem Euro 5, se ainda não estão definidos os parâmetros finais para Euro 7, porque razão haveriam de gastar dinheiro mais nisso e não tanto em Pilhas de Combustível, Baterias e motores elétricos?

Claro que muitos meios, trazem logo para manchetes que a Mercedes abandona R&D nessa área (mesmo os que estão ligados ao marketing da marca aproveitam para tentar passar essa ideia), mas ainda falta vêr se assim é.

Interessante como estes 3 descrevem a notícia, sendo que um deles a coloca na categoria Rumour e não em Official...

 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Cliente Ecowatt
Sentimentos mistos. Se por um lado o reforço na eletrificação merece aplauso também ficam por desenvolver motorizações térmicas eficientes e de emissões contidas. No pré-dieselgate limitavam-se a espremer desempenho, viu-se o péssimo resultado ambiental...agora deveriam focar-se em melhorar.
Nos recentes de gama compacta a MB recorreu aos blocos da Renault tradicionais e a alguns juntou baterias, esta fórmula tem defeitos bem conhecidos...
 

João Prates

Moderator
Staff
Então se bem te entendo acabas por concordar com a posição da Mercedes.

Já há algum tempo que não desenvolviam muitos motores do zero, recorrendo com frequência a blocos do grupo Renault, já era indicador de alguma coisa.

Quando juntavam baterias à-la-Frankenstein os resultados não eram os melhores, pela falta de integração entre os sistemas propulsores... precisam de melhorar...

Portanto decidirem abandonar o R&D dos MCI de uma vez por todas seria sempre o próximo passo natural, e desenvolver a componente das transmissões electrificadas idem...

Parece estar tudo a alinhar-se não dirias @Telmo Salgado ?
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Cliente Ecowatt
A realidade é diferente da que descreves, eles têm desenvolvido os de gama alta. Ao adquirirem fora estão à mercê daquilo que ainda se faz. É como escrevi, acho que deviam continuar, pelo menos enquanto existirem melhorias possíveis (Otto para ciclos sobrexpandidos), até porque se dão bem com a eletrificação...
 

João Prates

Moderator
Staff
Que trapalhada monumental, estão perdidos, só pode.

Noutra frente isto parece uma versão institucional do post da bateria do Nissan Leaf... no sentido em que realmente não se pode confiar em nada no que concerne às redes sociais.

É que tanto do lado da Tesla como do lado da Mercedes ambos estiveram de facto envolvidos nos comentários, e ambos deram veracidade ao caso, eu vi pessoalmente os posts!

Ter o responsável do R&D a dizer uma coisa numa entrevista, o marketing a validar nas redes sociais, e depois vir a casa mãe desmentir tudo... é no mínimo uma trapalhada monumental.
 
Em equipa que mete golos não se mexe mas, se os golos começam a ser poucos, mais tarde ou mais cedo temos de o fazer.

Sem fazer futurismo, a Mercedes terá de um dia abandonar o diesel - quando, é a questão.

A meu ver esta entrevista serviu para avaliar dos impactos junto de clientes, nada mais.

Não se tratou de uma fraude montada pela revista. Se assim fosse imediatamente haveria processos em tribunal - coisa que não aconteceu.

Também não se tratou de uma invenção do responsável pelo desenvolvimento. Se assim fosse o comunicado da empresa tê-lo-ia assumido - e não o fez.

A Mercedes habituou-se, como muitas outras, a uma posição de domínio. Hoje essa posição é mais frágil. Gradualmente perderá clientes, vendas, até prestígio. Que fazer senão cavalgar a onda da mudança? Mas, tendo o lugar que tem, e vendendo (ainda) o que vende, quer ser cautelosa. Não lhe fica mal, antes pelo contrário. Entretanto sabe que tem de abraçar a mudança e teme as consequências.

Depois, na sua estrutura, estão todos de acordo? É pouco provável. O mais certo é haver gente que, como o sr que deu a entrevista, pensa que deviam investir tudo no novo paradigma. Já outros, mais conservadores, pensam que há espaço, e tempo, para todas as soluções.

O comunicado que fizeram sair destina-se, creio, a sossegar os clientes tradicionais. Mas, de modo nenhum, nega a mudança que já começou.

Abraço amigo
Crisóstomo
 
Top Inferior