Informações técnicas

Boas pessoal
Estou um pouco fora do funcionamento destes carros e como parecem interessantes no papel, gostaria de saber se alguém sabe detalhes da transmissão, mudança entre eléctrico e MCI, a sua fiabilidade e consumos.
Já sei que o MCI é gastador, é bastante expectável tendo em conta a sua construção. Agora a verdadeira incógnita está mesmo na transmissão e embreagem??
 

William Esteves

Not Shakespeare
O sistema, para quem vem de um Prius, é bastante diferente...

image.png


Estamos a falar de um puro sistema em paralelo, com recurso a embraiagem:


Tem pros e contras... Quais são as premissas para a nova viatura?
 

William Esteves

Not Shakespeare
Embraiagem só tem uma, é uma multi-plate clutch.

É importante entender qual o intuito da viatura... Para uma condução mais agressiva, transmite uma sensação totalmente diferente que a PSD... Mas diferente do que é habitual na BMW... Face ao aumento de peso...
Aqui, mesmo em modo BEV, temos trocas de velocidades (se bem que devem ser pouco perceptíveis face à construção da caixa de velocidades.

Se for conforto e eficiência, o PSD consegue melhores resultados.
 
O sistema, para quem vem de um Prius, é bastante diferente...

image.png


Estamos a falar de um puro sistema em paralelo, com recurso a embraiagem:


Tem pros e contras... Quais são as premissas para a nova viatura?
Obrigado @William Esteves pela informação.
Qual a durabilidade dessa embraiagem?
As premissas é necessidade de espaço e ser no mínimo plug-in já que tenho como carregar em casa. A família está a crescer e, sem qualquer decisão, estou a avaliar todas as hipóteses.

Duas embraiagens... adeus... não fazia ideia, conseguiu piorar a imagem que já fazia do bicho.

Obrigado pelo excelente vídeo @William Esteves , só não sei como é que conseguem vender coisas destas, mas pronto, é defeito meu.
Acho que vendem mesmo por ser a marca que é, ser das poucas carrinhas plug-in e os grandes incentivos fiscais para empresas. O comum comprador não tem o mesmo conhecimento nem faz o estudo das soluções como aqui a comunidade. Para o comprador comum, é tudo igual e põe tudo no mesmo saco. Digo isto pelas conversas que vou tendo com conhecidos.
 

William Esteves

Not Shakespeare
Para os kms que fazes, não deves ter qualquer problema com o carro.
Azares acontecem, é certo.

Acima de tudo, faz test-drive, o conceito de híbrido em paralelo tem atributos diferentes do PSD...

A potência, é somatório quase direto (entre o MCI e o ME), e tudo associado a uma transmissão "mais direta" irá dar uma sensação de aceleração bem engraçada.
Mas, não te deve permitir um SOC muito baixo... Como irias notar diferença na potência do carro quando circulas sem bateria, o carro deve fazer uma gestão mais "protegida", e não te deve ser fácil utilizar os 100% da bateria sem arranque do MCI.
 
Fiz um pequeno test-drive e agora estou a aguardar para fazer um prolongado.
Também já fiz com o RAV4 mas não é o meu estilo de carro e condução, só mesmo se tiver de ser...
Para os kms que fazes, não deves ter qualquer problema com o carro.
Azares acontecem, é certo.
E se fizer mais? Tenho de pensar nos custos em caso de problemas ou desgaste. Actualmente o meu 3G faz poucos porque tenho outro carro(not so smart CDI) mas vou deixar de ter esse também em breve.
 

João Prates

Archie Bunker
Embraiagem só tem uma, é uma multi-plate clutch.
Pelo que percebi tem uma para a caixa automática, e outra para o motor eléctrico @William Esteves ... são duas...

A potência, é somatório quase direto (entre o MCI e o ME), e tudo associado a uma transmissão "mais direta" irá dar uma sensação de aceleração bem engraçada.
Mas, não te deve permitir um SOC muito baixo... Como irias notar diferença na potência do carro quando circulas sem bateria, o carro deve fazer uma gestão mais "protegida", e não te deve ser fácil utilizar os 100% da bateria sem arranque do MCI.
Se o meu amigo @Luis Dias se dignar a aparecer por cá, ele teve um por um bom tempo, e poderia explicar muito melhor que eu a condução do carro.
Do que me recordo, correndo o risco de estar a falhar em alguma coisa, era carro com muita potência que gostava de andar depressa, mas gastava bem a rolar nesse modo, e em modo EV deixava muito a desejar em autonomia.
Grosso modo do que me recordo o modelo dele (que seria o anterior ao actual novo) era suposto ter uns 30 km de autonomia ou mais um pouco, mas fazer 20 já era bom.

Ou seja, pouca autonomia EV, gastador tanto em EV como em HV, mas com "pica" em termos de condução pela alta potência de que dispunha.
Isto foi a ideia com que fiquei das conversas que tinha com ele sobre esse carro, que acabou de vender há poucas semanas atrás.
 

William Esteves

Not Shakespeare
Embraiagem é só uma, a “k0”, o motor elétrico está sempre acoplado.

O conversor de binário é substituído por motor elétrico + embraiagem k0.
 

João Prates

Archie Bunker
Embraiagem é só uma, a “k0”, o motor elétrico está sempre acoplado.
Não me parece, até porque seria uma parvoíce obrigar o MCI a rolar sempre que o MG roda, e se assim fosse o modo coast entre outros seriam impossíveis.
Aliás, é precisamente a embraiagem K0 que separa o MCI do MG, permitindo por exemplo o modo puro EV, que obviamente tem o MCI parado (minuto 5:28).

1626858598405.png


Esta primeira embraiagem, a K0 aparece bastante cedo logo ao minuto 2:45 do vídeo:

1626858053206.png


Depois ao minuto 3:35 tens a embraigem da caixa automática, que foi redesenhada para suportar o torque do MG, e rebaptizada de Integrated Starting Element (IAE):

1626858173052.png


O audio por acaso está muito bom, explica muito bem o funcionamento de ambas as embraiagens.

Dá ideia que partilhaste o vídeo mas que não o viste com atenção... ora quando tiveres oportunidade vê lá e depois volta.



EDIT:

Se quando dizes que o MG está sempre acoplado, queres dizer sempre acoplado à transmissão, e não sempre acoplado ao MCI (convém mencionar o sujeito na frase), então ainda assim não é verdade porque a IAE está lá para permitir a mudança de relação na caixa de velocidades automática, é a segunda embraiagem, ou se calhar melhor dizendo a primeira embraiagem porque é a que já existia nas transmissões tradicionais não electrificadas, a K0 é que é a novidade (segunda embraiagem) neste drivetrain.
 
Última edição:

William Esteves

Not Shakespeare
Repara na imagem:

1626858598405-png.2000


O único elemento que retira a conexão mecânica do MCI é o "k0", a embraiagem "IAE" serve apenas para realizar o lock-up e com isso diminuir as perdas.

Ou seja, a caixa de velocidades "base" que é a ZF 8HP, é uma caixa automatica (com conjuntos de planetários) com conversor de binário, pelo que pelo teu pensamento esta caixa teria 5 embraiagens salvo erro (os conjuntos de planetários também têm de ter um equipamento semelhante) para haver trocas entre as diferentes combinações.

Onde em cima se vê o 8P, o esquema é este:

fig5-1.jpg


E a construção mecânica é assim:

8_HP_Schnitt_2_3_2_748px.png

Nota: Esta imagem é da 8HP "convencional", praticamente só muda a zona do conversor de binário.

Repara que entre os conjuntos de planetários e o conversor de binário também tens o tal "IAE":

image.png


E 3 equipamentos similares de seguida:

image.png


É uma construção normal para uma caixa automatica de conversor de binário atual.

O "IAE" serve apenas para realizar o lock-up, sendo esta a inovação que permitiu as caixas de velocidades automaticas com conversor de binário aumentarem consideravelmente a eficiência face às suas anteriores.

É que as caixas de dupla embraiagem, permitiam eficiência similar às manuais (até superior por a ECU manter a mudança ideal mais tempo), mas a suavidade de arranque simplesmente não existia e a sua manutenção super-cara.... Mas acima de tudo a malta fartou-se da falta de conforto no dia-a-dia com duplas embraiagens.... E aqueles mega-arranques? Também havia um número limite, relativamente reduzido, que se podiam fazer antes de ter de substituir o módulo de embraiagens...

Daí ser considerado que a única embraiagem é a "k0".
 

William Esteves

Not Shakespeare
É mais a interpretação do conceito... O 4G PHV supostamente também tem uma clutch, na one-way clutch, onde embraiagem na nossa habitual embraiagem será um termo também mais curioso.
 

João Prates

Archie Bunker
Epá não fales no 4G PHV sem lavar as mãos e boca primeiro, com alcool gel... é que a simplicidade da transmissão da Toyota ao pé do inferno de engrenagens da BMW é brutal!

Eu só de olhar para aquela transmissão da ZF dá-me vontade de fugir; já as perdas monstruosas daquilo são algo a que não há como fugir, as leis da física são tramadas...
Não admira que gaste o que gasta, seja em EV ou HV, aquilo parece a transmissão de um camion, figurativamente falando, que monstro!

Nada, mas absolutamente nada, nicles, rien, bate a simplicidade e eficiência do 4G PHV!


Mais este quick view da transmissão pelo Prof. John Kelly:


Se o homem algum dia tiver de explicar uma transmissão ZF de um BMW... faz um vídeo de 4 horas... que inferno...
 

William Esteves

Not Shakespeare
A referência foi apenas pelo uso do termo clutch, a comparação técnica deve ser feita sendo que as fraquezas de uma são as vantagens da outra.

Daí ser importante definir quais as premissas da aquisição da viatura, estamos a falar de soluções tecnicamente opostas...
 

João Prates

Archie Bunker
Agora acho que disseste tudo, é isso mesmo.

No entanto pelo que o @Diogo Gonçalves tem referido, acho que a preocupação principal dele será a manutenção e fiabilidade da solução.
Se for esse o ponto, para mim é óbvio qual a melhor solução.

Já se quer um carro com mais do dobro da potência... 292 cv são 292 cv... não há como dar a volta a isso.
Carro vitaminado vs. carro eficiente, é esse o ponto acho eu.
 
A ideia deste tópico era mesmo perceber a viabilidade técnica da solução, não analisar se é o melhor carro. Até porque, para se determinar o melhor carro, é necessário vários factores que não estão em consideração aqui, tal como espaço, autonomia, uso que vai ser dado.
Do ponto de vista técnico, é bem mais complexa que o prius, mais perdas e mais manutenção.
Eu gostava era de conseguir quantificar isto, perceber a durabilidade e necessidade de manutenção e nova embraiagem.
Pelo que tenho visto, ainda não encontro muita informação, talvez por ainda não haver muitas unidades com kms feitos para chegar a esse ponto. É preciso pensar que um carro destes vai levar com bastante cidade e isso acrescenta bastante desgaste nessas peças.
 
Top Inferior