Hidrogénio - Viabilidade como combustível (inclui Green Flamingo)

Telmo Salgado

Moderator

Telmo Salgado

Moderator
Já o escrevi lá atrás, a ânsia de fazer H2 a qualquer custo não faz sentido...


O Governo da Holanda tinha planeado que essa energia viria, eventualmente, de ventoinhas eólicas ou parques solares. Mas como a eletricidade na Holanda ainda é produzida principalmente a partir de gás natural e carvão, a produção de hidrogénio no país apenas aumentaria as emissões de carbono neste momento, defendeu a Comissão Europeia.

Bruxelas opôs-se e bem.
 

Bruno R. Almeida

Well-known member
@Telmo Salgado, no seguimento da tua noticia relacionada com a Holanda, hoje sou confrontado com esta noticia do Economia ao Minuto:

https://www.noticiasaominuto.com/economia/1590193/portugal-vai-exportar-hidrogenio-produzido-a-partir-de-renováveis .

Ai ler o artigo fiquei com algumas questões:

  1. Portugal já é autossuficiente em energia por forma a "vender" para terceiros?
  2. Fala o artigo em Hidrogénio verde, depois menciona a rede de gás natural, utilizada como forma de transporte? ou produção?
 

Telmo Salgado

Moderator
Temos algumas alturas do dia em que somos autossuficientes em energia, e irão ser cada vez maiores os períodos. Mas para manter uma instalação destas a 100% precisamos de muito mais produção (tipicamente PV).
A rede de GN serve como meio de transporte, diluído até ao máximo de 18%. Para a Holanda parece-me que só poderá ser por navio.
 

Telmo Salgado

Moderator

João Prates

Moderator
Fala o artigo em Hidrogénio verde, depois menciona a rede de gás natural, utilizada como forma de transporte? ou produção?
Não vejo qual é a dúvida, o Português é claríssimo:
"durante 2020, serão aprovados os procedimentos necessários aplicáveis às várias vertentes da cadeia de valor dos gases renováveis, incluindo o licenciamento de instalações e a regulamentação da injeção de hidrogénio nas redes de gás natural"

Se vais injectar H2 na rede GN, é evidente que o H2 já está produzido, só pode ser para distribuição do H2, com os filtros que o @Telmo Salgado oportunamente referiu.

EDIT: Claro que também pode ser para consumo do H2 misturado com GN, o que também é possível até determinada percentagem sem danos para os queimadores e turbinas de GN.
 

Telmo Salgado

Moderator
Li nas redes sociais que ontem à noite houve frente-a-frente televisivo do SecEstado e de outros notáveis sobre a questão do H2, tendo ficado claro que as partes se extremam e que não tocam em todos os pontos essenciais da temática, que é sobretudo nesta fase, técnica e científica mais do que económica e política.
Não é novidade para ninguém que precisamos descarbonizar, e que a Comissão Europeia está a apertar mais os objetivos para 2030 e chegar a 2050 com neutralidade carbónica.
Como o fazer sem o H2 é que me parece mais desafiante do que com ele...:confused:
 

João Prates

Moderator
Tens ideia de que canal foi isso?
Gostava de ver essa tristeza (a ajuizar pelo que descreves), deve ter sido tipo debate presidencial dos USA não?
Um pior que o outro, não se aproveitou nada.

Se souberes em que canal foi avisa para eu pesquisar no seu site e tentar ver em difereido o debate.
Grato.
 

Telmo Salgado

Moderator
Ok, também já pude ver. Galamba tenso mas moderado face a outras ocasiões.
Ambos mostraram algum domínio técnico, o que nos deve interessar fundamentalmente a quem está na política, porque as suas decisões são matriciais nas nossas vidas.
Gostei bastante de ouvir que nenhum dos presentes do frente-e-frente duvida da responsabilidade do país perante as Alterações Climáticas e a urgência de descarbonizar. E que não foi esquecido o compromisso europeu.
Alguma incerteza de como o hidrogénio sairá de Sines, mas tudo parece apontar para uma boa resposta de mercado para quando ele existir. Mencionada a questão do emprego verde e o cluster desta nova forma de energia, embora tangencial.
 

Telmo Salgado

Moderator
O debate do hidrogénio

Até os economistas começam a encontrar as razões fundamentais de entrar numa nova era.
Da discussão nasce a luz, e a economia deverá ser um dos vetores e não o embaraço da evolução na descarbonização.
 
Top Inferior