Diário de bordo do Anjo Branco - João Crisóstomo

Paulo Lapa

Active member
Viva Crisóstomo,
Tive a dar um review ao teu db e vi que tens que andar de olho uma vez por semana debaixo do capô a ver níveis, não custa nada só tem que estar os depósitos no MÁX.
Vais ver que poupas uns euros.:cool:
Quanto aos ruídos é fácil ouve musica no volume 20 comigo resulta vou a curtir a batida, não é pelos ruidos banais mas sim pelo silêncio a bordo.
Peças de desgaste é normal demora mais tempo para chegarem ao fim mas tem que se trocar. ex: calços pneus, foles, discos, bomba de água, pack de bateria quando apenas acender o "triângulo da morte" ( depende das condições de utilização, conservação)que giro nome (TDM):whistle: há e a bateria de 12v se necessário.
Mais de resto é usufruir ao máximo a máquina, as ditas alegrias.:p
Demorei a passar por cá mas passei.
PL
Esqueci das velas sorry a cada 90000kms é obra, sim e são 4 velas, em 200000kms trocas 2 vezes.
Bem vou aos meus afazeres.
Abraço,
PL
 
Ontem fui a Setúbal e tudo bem, nada a assinalar. Hoje fui ver os níveis e resolvi partilhar com o colectivo, até porque não me lembro de ter posto aqui fotos do menino.

Pelo que entendo do nível do anti congelante está tudo bem.

Abraço
Crisóstomo
 

Anexos

Telmo Salgado

Moderator
Staff
São as melhores notícias que me podias dar, a média é fantástica e o refrigerante estar ao nível...
 

Bruno R. Almeida

Active member
4.0Lt/100km no Inverno é gratificante!!
Fico a sonhar com as médias de Verão....
 
Nas últimas semanas o Rupert tem andado mais.

Na sexta feira passada regressamos do Alentejo e foi sempre a abrir. A certa altura passei um pesado e dois ligeiros que vinham a engonhar - e sem mexer no nitro. Simplesmente acelerei e de repente já estava a quase 140. Uma delícia. Isto sempre na estrada nacional.

Ontem a companheira apeteceu-lhe ir passear até Vila Nova da Barquinha onde uns amigos criaram um museu Hermético e havia lá uma palestra. Para lá conduzi eu. Tudo bem. Para cá comecei eu mas na A1 parei numa estação de serviço e consegui convencê-la a conduzir um bocadinho. Gostou tanto que veio até Lisboa.

Não parece grande coisa mas para ela foi uma estreia e para mim foi um descanso. Tanto mais que não me estragou a média dos 4 litros.

De aborrecido apenas o famoso grilo que para lá chateou mas na viagem de regresso a Lisboa resolveu calar-se.

Abraço amigo
Crisóstomo
 
Lapa,

Nas minhas idas ao Alentejo nunca uso a A2. Por um lado fica caro pelas portagens e por outro detesto a monotonia duma paisagem sem surpresas.

O pesado e os dois ligeiros que ultrapassei foi na estrada que vem de Elvas para Montemor. E sim, foi numa reta, mas pequena.

Devo dizer que sempre fiz ultrapassagens múltiplas, umas com mais risco que outras, mas na época tinha um 2.5 td e mais tarde um 2.7td. Carros potentes apesar de poluidores e barulhentos.

Quando comprei o Honda Insight deixei de fazer ultrapassagens porque não me sentia seguro da resposta do carro. Com o Benjamin fiz algumas, mas sempre com imensa cautela. Só com o 3G é que voltei a sentir-me completamente à vontade para este tipo de manobras.

Abraço amigo
Crisóstomo
 
A estrada nacional que começa à saída de Setúbal e vai até Pegões (nacional 10). Depois (nacional 4) que passa em Vendas Novas e desemboca em Montemor o Novo. A seguir apanho a estrada que passa ao lado de Arraiolos, Vimieiro, Estremoz. Depois de Estremoz apanho uma derivação que passa por Borba, Vila Viçosa, Alandroal. E pronto.

Demora mais que a AE mas é divertido e estimulante.

Abraço amigo
Crisóstomo
 
A propósito de pressão de pneus tenho hesitado em meter mais que os 2.4 recomendados. Mas lembro-me de ler algures por aqui que se pode exagerar um bocadinho.

Se alguém se quiser pronunciar?

Abraço amigo
Crisóstomo
 
No meu Auris com pneus 225/45 R17 costumo colocar sempre 2,5 bar apesar de ser recomendado os 2,3 bar. A única diferença que noto é o carro ficar mais duro quando se passa em imperfeições/buracos na estrada, fora isso, é maneira de gastar menos lateral dos pneus e provavelmente reduzir ligeiramente o consumo (nunca fiz nenhum teste de consumo vs pressão de pneus). Nas revisões na Caetano Auto do Porto costumam por quase 2,6 bar.
 

Bruno R. Almeida

Active member
@João Crisóstomo Afonso, as medidas indicadas nos nossos carros deveriam ser pressões não recomendadas, mas mínimas, dado que se as colocar-mos muito provavelmente dentro de pouco tempo estarão abaixo do valor recomendado.

No Rei Zoom, creio que ando com cerca de mais 0.5bar do que o indicado, mas também tenho em consideração que a diferença entre a pressão recomendada e a pressão máxima para o pneus especifico que utilizo é de cerca de 1.2bar.

Pode ser apenas efeito placebo, mas tenho a perceção que os consumos baixam quando ando com a pressão acima do "recomendado".
 
Eu, no meu auris, tinha 2,3 com pneus 225/45 R17, no entanto à cerca duas semanas, quando passei numa oficina de pneus, para ver umas coisas, aconselharam-me e colocaram a pressão a 2,5, eu questionei o motivo e eles disseram que por ser de perfil baixo era o aconselhável e assim gastava por igual, para proteger mais o pneu.
 
Na última sexta feira fui a Setúbal dar assistência à família e adorei andar na nacional 10: tudo num relax fantástico, cada um na sua, sem pressa nem buzinas, andamento moderado.

Chegado a Setúbal telefona a minha irmã a dizer que tinha falado com a cardiologista do hospital e que havia um surto grave na cidade. Por consequência não me queria lá em casa. É que podia contagiá-la.

Ok, tudo numa boa: arejei, apanhei uma mercearia aberta, comprei umas verduras, usei o sistema do carro para falar aos amigos. E desanuviei.

Assim anda este nosso mundo que de repente parece ter tropeçado nos seus próprios pés. Vai passar? Claro que vai passar, é só dar tempo à rapaziada das vacinas. E até lá tudo recolhido como os bichinhos que hibernam.

Abraço amigo
Crisóstomo
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Recolhimento sugerido, exato!!
 
O recolhimento cá em casa começou 15 dias antes de ser decretado oficialmente. Nada de problemático. Entretanto tenho uma mãe com 91 anos a quem faz falta ver o filho, e isso levou-me à estrada.

Também dar uso ao Rupert porque, algures terei lido que os híbridos precisam de andarem ou o sistema cria problemas. É verdade, é mentira? Aproveito para perguntar a quem sabe.

Abraço amigo
Crisóstomo
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Não é que saiba alguma coisa, mas arrisco responder.
Para mim é um mito. Desde que a bateria de 12V esteja em boa condição, várias semanas de paragem não irão afetar.
A bateria de tração perde de facto alguma carga com o tempo, mas é preciso uma boa temporada para isso criar problemas...
 
Top Inferior