Diário de Bordo de um Serrano a Pilhas - J.Ferreira

Luis Neves

Moderator
Mas reduzir o buffer acelera a degradação da bateria....o buffer serve para isso mesmo.

Adenda: fui ver a "ficha" da bateria, e tem 67,5 kWh totais com 64 kWh úteis. Isto é mais ou menos o normal para evitar utilização a 100%. Se tivesse uma margem de 8 ou 10 kWh, metade podia ser buffer e a outra metade capacidade para ir libertando para compensar a degradação. Será que a Hyundai não divulga os números todos?
 
Última edição:

Telmo Salgado

Moderator
Bom dia! Essas informações são muito interessantes, penso que merecem ser partilhadas para fora do DB. Que vos parece?
 

Carlos Costa

Moderator
Degradação zero não existe, e pensar o contrário é fantasiar. No entanto ela será tanto maior quanto mais frequentes forem os "maus tratos" infligidos à bateria. Acredito que na Noruega seja praticamente impossível resistir aos PCR'S, tal a abundância destes, facto que penaliza a saúde da bateria. As temperaturas negativas extremas, vulgares naquelas longitudes, também têm o seu peso.

De notar que os nossos PCR'S apenas fazem umas cossegas ao Ioniq, que aceita potências mais altas. Nos nossos postos de 50kW é um milagre conseguir mais de 40 kW.
 
Última edição:

Hugo Pardal

Active member
Uma coisa é certa, todos os estudos mostram que quem chega ao patamar EV, muito mas muito raramente volta atrás.

👆

levanto o dedo para dizer que estou aqui eu... que tinha um carro elétrico e troquei por um a gasolina!

tinha 2 carros a gasóleo... Peugeot 206 e Chevrolet Cruze.
troquei o Peugeot por um Nissan LEAF (mantive a Cruze).
Troquei a Chevrolet Cruze por uma Toyota Auris HSD (Mantive o LEAF).
Troquei o LEAF por um C5 Aircross 1.2 Puretech (Mantive a Auris Híbrida).
e o ano passado vendi a Auris híbrida e comprei um BMW I3.

é como diz o outro... estou vai não vai!
 

Carlos Costa

Moderator
Tudo depende da experiência com o carro e das necessidades no momento, sendo certo que a experiência EV é altamente satisfatória! Para uso quotidiano, não vejo nada melhor!
 

Hugo Pardal

Active member
para começar, quando foi a aquisição em 2019 ainda não havia o C5 Aircross híbrido.

mesmo que houvesse eu não tinha dinheiro para isso.

a troca do LEAF para o C5 Aircross deveu-se à chegada de um novo membro à família e, como quer eu quer a minha esposa temos problemas de coluna, quisémos trocar para um carro alto (os mal amados SUV) para aceder mais fácilmente ao banco para colocação/retirada do bebé. O C5 Aircross é o carro mais confortável que tive até ao dia de hoje. Por ser o mais alto e confortável desta categoria foi o escolhido. O sacrificado foi o LEAF porque estava farto de andar a mimar a bateria e a degradação continuava. Não era o carro que vivia em minha função, mas eu que vivia em função do carro, o que para mim não faz sentido. Para além disso como o hospital de referência situa-se a uns bons kms de casa, se tivesse uma urgência com o bebé (depois do percurso normal para o trabalho) já não tinha autonomia suficiente para atender à urgência, o que para mim também era inadmissível.

Admito que de um carro elétrico mais moderno ninguém volte atrás para um carro a combustão... agora de um carro elétrico de primeira geração com os problemas que tiveram existe muita gente a voltar para a combustão. foram abandonados pelas marcas... trocar a bateria custa mais do que trocar de carro... ficas a pensar que entretanto o carro vai para abate porque já não tem autonomia suficiente mas o valor da bateria ultrapassa o valor do carro e que raio onde é que está a ecologia no meio disto se carros com 10 anos a única opção que têm é o abate?
 

José Rosado

Active member
Só tem abate, se quiseres...existem n soluções de troca de bateria disponíveis sem ser os concessionários e a marca ;)

Eu cá não andei com histórias de mimar a bateria...e não me arrependo nada...se chegar aos 160000km e não tiver perdido as 4 barras, vai uma bateria com 43kWh uteis.

O que me está a "impedir" de fazer já a troca é que ainda não atingi o limite de kms da garantia, senão era já...
 

Hugo Pardal

Active member
Só tem abate, se quiseres...existem n soluções de troca de bateria disponíveis sem ser os concessionários e a marca ;)

Eu cá não andei com histórias de mimar a bateria...e não me arrependo nada...se chegar aos 160000km e não tiver perdido as 4 barras, vai uma bateria com 43kWh uteis.

O que me está a "impedir" de fazer já a troca é que ainda não atingi o limite de kms da garantia, senão era já...

Tens um LEAF 24KW MK1? Sabes a que velocidade essas baterias degradavam?



Quanto é que essa troca te vai custar?

Qual o valor do carro na altura?

Se trocares a bateria e uma semana depois tiveres um acidente quanto é que o seguro te vai valorizar o carro?
 

José Rosado

Active member
Tens um LEAF 24KW MK1?
30kWh

Quanto é que essa troca te vai custar?
Por volta de 6000€ . Quanto custaria trocar um motor num carro? um FAP? Um Turbo?
Se trocares a bateria e uma semana depois tiveres um acidente quanto é que o seguro te vai valorizar o carro?
Neste momento o meu seguro valida-me o carro em 19250€, acima do valor que eu acho que tem. Quando chegar à altura de trocar, o mais provável é que já só tenha seguro contra terceiros. Seja em que situação for, a seguradora é sempre obrigada a arranjar um carro nas mesmas condições. Mesmo que o acidente tenha sido de tal forma, que danifique o pack, duvido que todas as células fiquem danificadas e a troca que pretendo fazer, é de célula a célula e não o pack por inteiro. Assim ainda posso aproveitar perfeitamente as células que estejam boas.
 
Pequeno registo para resumir a viagem de hoje a Coimbra, ida e volta.
O Faísca portou.se lindamente, foram 327 km no total com uma média de 14,4kwh/100km.
Os ritmos foram os normais e descontraídos, CC bloqueado a 110kmh na A25 e 100kmh nas restantes vias quando o permitiam.
Tendo saído carregado a 100% o dia acabou com 70% do soc consumido e ainda 30% disponíveis o que equivalia a cerca de 135km extrapolando a partir da média do dia.

Não podia estar mais satisfeito, ir e vir a Coimbra em conforto, com temperatura interior nos 20/21 graus e ter ainda uma grande margem de manobra provam que está foi de facto a melhor escolha.

faltou referir que tendo carregado a 0,1€ o kWh o custo por cada 100km foi de 1,44€... metade do valor que gastaria no Serrano a GPL
 
Top Inferior