Comunicado surreal da UVE a propósito da trapalhada Nissan

João Prates

Moderator
Staff
Caros,

Chegou há pouco à minha caixa de email um comunicado da UVE a propósito da trapalhada da Nissan no que respeita ao preço da bateria para o Nissan Leaf que classifico como surreal.

O dito comunicado pode ser lido online neste link, mas para ficar para memória futura aqui vou copiar o conteúdo para dentro deste post, e faço as minhas considerações no post seguinte:

UVE disse:
Nas últimas semanas, as redes sociais e a comunicação social divulgaram o caso de um utilizador de Nissan Leaf, com bateria de 30 kWh, contando com mais de 200.000 km em dois anos de uso, o qual ao pretender trocar a sua bateria lhe foi proposto pela Nissan um valor de 24.622,88€ mais despesas de mão-de-obra e IVA, o que daria um preço final superior a 30.000€.

A UVE – Associação de Utilizadores de Veículos Elétricos contactou a Nissan Ibéria (a 23 setembro 2019), sucursal em Portugal, no sentido de obter a posição oficial da Nissan, pois já nesta altura surgiam inúmeras versões oficiosas nas redes sociais e na comunicação social. Duas semanas após o primeiro contacto, e sem termos tido qualquer resposta ao pedido, voltámos a insistir junto da Nissan (a 7 outubro 2019), tendo, neste segundo contacto, recebido a comunicação de que ainda não estavam em condições de responder, agradecendo o nosso interesse em esclarecer a questão.

Decorridas cinco semanas sobre o pedido inicial e duas semanas sobre o segundo pedido, a Nissan divulgou uma nota de imprensa em que esclarece aquilo que a UVE, enquanto associação representativa dos utilizadores de veículos elétricos, lhe tinha solicitado.

Fica claro, para a UVE, que a utilização deste veículo excedeu o uso normal de um veículo elétrico por parte de um utilizador particular. Falamos de dois anos, 200.000 km percorridos, e inúmeros carregamentos rápidos sucessivos e diários.

Esta situação é comparável à de um veículo com motor de combustão interna ao serviço em empresas de táxi ou TVDE, que após uma utilização intensiva e prolongada, com turnos por vezes de 24h sobre 24h, apresentam um grau de desgaste bem superior ao de um veículo com motor elétrico, necessitando da mudança de vários componentes do motor térmico, ou até chegando a necessitar de mudar a totalidade do motor de combustão interna.

Com a sua nota de imprensa, a Nissan Ibéria, sucursal em Portugal, clarificou várias dúvidas e esclareceu que o preço de troca de uma bateria para o Nissan Leaf e Nissan e-NV200, é de 7.000€, mais as despesas de mão-de-obra e o IVA, com efeitos a partir do próximo dia 4 de novembro de 2019.

Terminou assim, com resultado positivo, uma “polémica” que alguns detratores da mobilidade elétrica e “outros” que apenas gostam de se ouvir, alimentaram nas redes sociais e na comunicação social, denegrindo o veículo elétrico e a mobilidade elétrica em geral.

Uma resposta mais pronta a esta situação teria evitado todo este desgaste e o ataque à mobilidade elétrica.

Quanto a este utilizador com atividade TVDE no seu veículo elétrico, poderá agora trocar a bateria, com 200.000 km e dois anos, por uma nova pelo preço agora divulgado, o qual estará muito abaixo dos valores que teria de pagar pela substituição de peças, caso o seu veículo tivesse um motor de combustão interna e lhe tivesse dado a mesma utilização intensiva.

Apraz-nos ver o problema deste utilizador resolvido, e saber que a mobilidade elétrica é bem mais rentável que a combustão fóssil, mesmo numa situação de uso tão intensivo.

É também de registar a situação de exceção, visto que temos vários associados da UVE com mais de 200.000 km realizados e sem necessidade de mudar a bateria.

Lisboa, 1 de novembro de 2019

 

João Prates

Moderator
Staff
A UVE se quer ser minimamente credível, tem de ser factual, independente, e objectiva na descrição dos factos.

Encontro no comunicado alguns pontos de vista que para mim violam estes princípios de forma contundente, de forma inaceitável a uma associação de utilizadores de BEVs:

1) Sobre a utilização do carro

Nunca em tempo algum o dono do carro em questão omitiu que fazia uso intensivo dele.
Aliás na peça que pudemos ver da TV ele reconhecia precisamente que já esperava que o carro gastasse a bateria mais depressa, e NUNCA SE QUEIXOU DISSO.

Mais ainda, o dono do carro veio reconhecer o uso intensivo e estava disposto a pagar o que lhe disseram custar uma bateria nova, pagar FORA DA GARANTIA.
É inadmissível atirar com as culpas do sucedido para cima do utilizador, ainda por cima vindo de uma associação de utilizadores!!!

Só faltou dizer que a Nissan deu orçamento da bateria a custar 30.000 Eur para este carro por culpa da utilização que este teve! Absurdo!

2) E sobre a "dança" de preços a UVE não diz nada?

A própria Nissan reconheceu ter alterado o preço brutalmente conforme temos descrito no outro tópico, para valores irracionais, sem que tivesse antes desta polémica alterado nada.

É perfeitamente legítimo dizer que muito PROVAVELMENTE não fosse precisamente a polémica, i.e. não fossem os donos dos Leaf revoltados e a pressão das redes sociais que a UVE tanto critica, e nem este nem outro utilizador veriam revertido o preço para patamares aceitáveis.

Sobre a alteração por 3 vezes de preço por parte da Nissan, para valores absurdos, a UVE não tem 1 única palavra em todo o comunicado, curiosamente!

3) Tenta-se justificar o custo abusivo de uma bateria com delírios sobre ICEs???

A utilização de viaturas electrificadas, sejam híbridos, plug-ins, ou EV, tem as suas vantagens para além de discussão, é um facto, não precisa de falsidades para ser defendida!
Dizer que uma viatura de combustão com 200 mil km também já gastou montante equivalente em manutenções e reparações é uma alarvidade que não fica nada bem à UVE.

Assumindo que a viatura a combustão teria sido comprada nova, não é minimamente defensável dizer que em 200k kms tenha um custo de manutenção de 7000 Eur + IVA.
Vou mais longe e digo que se for um híbrido por exemplo, que tem baterias a custar uma fracção do valor dos BEV, então nem se fala do disparate ser ainda maior.

No meu Baby Blue, que conta já mais de 200k km feitos, tenho menos de 1.250 Eur (c/IVA) gastos em manutenção.
De 1.250 Eur para mais de 8.600 Eur que custa a nova bateria mesmo ao preço mais baixo a partir de hoje em vigor vai uma larga distância.


Em suma:

A UVE devia saber que não é preciso inventar e mentir sobre a realidade dos veículos não BEV para defender os BEV, há sim que valorizar as vantagens destes últimos.
Devia zelar pelos utilizadores, e não virar-se contra eles por fazerem esta ou aquela utilização da sua viatura.
Devia ser crítica das marcas, em vez de as defender, mesmo quando cometem os atropelos que a Nissan cometeu, e de ignorar os seus pedidos de esclarecimento.

Este comunicado é absolutamente surreal.
Assim não, UVE, assim não.
 
Última edição:

Joao Ferreira

Moderator
Staff
Cliente Ecowatt
Enquanto associado da UVE leio com preocupação estes "press release".
Ora bolas, porque raios foram eles meter a foice em ceara alheia? isto não é defender a mobilidade eléctrica, afirmar que um ICE teria gasto x €€€€ é querer ir por um caminho de argumentação só porque sim.

Na minha humilde opinião a UVE apenas deveria ter noticiado o valor final da reparação mais nada.
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Cliente Ecowatt
Revejo-me na tua abordagem, Prates.
A questão da manutenção dos não-BEV estará relacionada com o preço dos combustíveis? É que sim, de facto, em 200mil km não é difícil ter algo como 12-15mil euros gastos em gasolina ou gasóleo.
 

João Prates

Moderator
Staff
Não fiz contas a isso @Telmo Salgado , mas espero bem que não, porque isso não teria nada a ver, falamos de custos de substituição de componentes, aliás eles dizem:

UVE disse:
(...) um veículo com motor de combustão interna ao serviço em empresas de táxi ou TVDE, que após uma utilização intensiva e prolongada, com turnos por vezes de 24h sobre 24h, apresentam um grau de desgaste bem superior ao de um veículo com motor elétrico, necessitando da mudança de vários componentes do motor térmico, ou até chegando a necessitar de mudar a totalidade do motor de combustão interna.
Se formos pelo custo do combustível então teríamos de ver quanto custam os abastecimentos rápidos num PCR, que todos sabemos não serem nada baratos.

Que me recorde em nenhum dos meus últimos 4 ou 5 carros com os quais fiz sempre 200.000+ km precisei de trocar 1 componente mecânico que fosse, tirando uma bomba de água no Prius 2G que aconteceu ainda em garantia e me custou zero.

Os BEV têm custos de operação muito menores? Sim sem dúvida.
Os BEV quando carregados em casa e/ou em horas de vazio têm um custo energético imbatível? Sim, sem dúvida.
Os BEV enquanto a bateria chegar para a autonomia pretendida têm manutenções mais baratas? Já nem sempre, depende da marca, há BEV com manutenções caríssimas!
O custo de uma bateria para um BEV compensa o custo de manutenção de um não-BEV na hora de trocar? Depende, cada caso é um caso, há que analisar primeiro e falar depois!
Pode-se generalizar e dizer que o custo de uma bateria já foi pago pelo que se poupou em combustível? Nunca na vida, porque mais uma vez depende, cada caso é um caso!
 

Rui Amaral

Member
O problema é que neste caso em particular do Leaf, tudo o que o utilizador poupou nestes 2 anos acabou por se perder com a compra da nova bateria. Pode-se dizer que é um caso raro, mas aconteceu.
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Cliente Ecowatt
Não subscrevo essas contas. Mesmo não sabendo quanto gastou em manutenção e em carregamentos (só foram pagos no 2ºano), somado com a conta de bateria agora a pagar, parece-me bastante inferior ao total investido num HV para o mesmo serviço.
Simulação com um Prius 3G (o meu) para o total de 200mil km - combustível 15250 eur + manut 2090 eur = 17340eur
 
As contas do Telmo batem certo com as minhas. Estimo uma poupança nos custos de manutenção e deslocação a rondar os 15 mil eur, percorridos 200 mil km, face ao pequeno diesel que o Ioniq veio substituir. Mas se a comparação fosse com o Prius+ então a poupança seria de quase 20 mil eur.
 

Luis Neves

Moderator
Staff
Cliente Ecowatt
Bom, a Nissan fez um comunicado em que não desmente ter pedido um balurdio pela bateria e a UVE ajudou com outro em que lança uma cortina de fumo sobre o assunto - como se vê, a discussão já derivou para assuntos que não têm nada a ver.

Facto: a Nissan pediu mais de 20k por uma bateria nova num contexto em que não se aplicava a garantia. Depois acabou por recuar. Não explicou porquê. A UVE em vez de criticar uma atitude que causou brutais prejuízos à mobilidade elétrica, fez um comunicado a apoiar. Era bom que explicasse porquê. No fim do dia ficámos todos a perder.
 
Já há bastante tempo que tenho criticado as atitudes dessa pseudo associação de utilizadores, conhecida por UVE e já por diversas vezes disse que a atitude deles revela que existem interesses escondidos por parte dos principais dirigentes desta pseudo associação e em vários campos.

Esta atitude vem confirmar isso e a posição que tomam em defesa da treta do novo RME, bem como as atitudes tidas por alguns dos seus dirigentes tem revelado isso.

No entanto, das várias vezes que cheguei a afirmar estes interesses, recebi pseudo ameaças de difamação, etc...

Nunca me fiz sócio nem farei, enquanto continuar a ver estas atitudes e esta passividade em relação à ME por parte desta pseudo associação... :mad::mad:
 

Rui Amaral

Member
Sejamos sinceros, ao fim de 2 anos aparecer uma conta de 8 mil euros nao deixa de ser uma operação dispendiosa e um grande arrombo num orçamento familiar.
 

João Prates

Moderator
Staff
Acho que até agora todos foram sinceros.

Tens de ser mais conciso e não disparar para todo o lado, porque as respostas que tivestes foram as acertadas para os argumentos que apresentaste.

Ninguém disse que não era uma operação dispendiosa, só te provaram estares errado quanto ao valor ser superior à poupança acumulada se contarmos com o combustível.

Não é porque tens razão num argumento (que até agora não tinhas apresentado) que tens razão nos outros (que apresentaste).

Se queres que concordem contigo em apreciações objectivas, apresenta argumentos que sejam objectivamente correctos, é só isso que se pede Rui.
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Cliente Ecowatt
Sejamos sinceros, ao fim de 2 anos aparecer uma conta de 8 mil euros nao deixa de ser uma operação dispendiosa e um grande arrombo num orçamento familiar.
Se eu tivesse feito os mesmos km nesses dois anos com o meu 3G, teria uma conta de 17340euros no total. Não é um rombo maior? Mais sincero que isto não posso ser.
 

Rui Amaral

Member
Claro que é Telmo, a diferença é que o teu rombo era DILUÍDO nesses dois anos e o dele vai ser de uma só vez senão não tem carro para andar.
 

Telmo Salgado

Moderator
Staff
Cliente Ecowatt
Hmmm... do que sabemos o proprietário tinha carro para andar, a autonomia é que já não servia o propósito.

Mas ainda assim...Vamos discutir liquidez e entrega no imediato?
Como chefe de família, não tenho qualquer dúvida em afirmar que prefiro pagar 8 mil euros JÁ do que 17 mil euros em 2 anos. :unsure:
 
Outra coisa que me faz comichão nessa associação (voltando ao tema do tópico) é a passividade com os tempos eternos que demoram os postos a ser ligados e com a total falta de postos rápidos em zonas estratégicas do interior (Viseu, Guarda, Castelo Branco, Bragança, a titulo de exemplo) :mad:
 

William Esteves

Active member
Este foi o meu comentário no facebook da UVE:

"
Não concordo com a vossa análise ao sucedido...
Primeiro e mais importante, foi de facto apresentado e confirmado pela Nissan Portugal que o preço seria de 25.000€ mais mão de obra (reportagem da SIC).
Depois ficaremos para sempre na dúvida, se o preço fosse descer, caso o proprietário não tivesse feito ‘barulho’ na comunicação social!
Ninguém põe em causa que o tipo de utilização denegriu precocemente o pack de baterias, nem o próprio cliente. O que está em causa foi um orçamento com 2 anos (aquando da compra) de poucos mais de 5.000€, que passou a mais de 9.000€ no primeiro contacto (e apesar de ser quase o dobro o proprietário aceitou) e de repente passar para 25.000€!
Espero sinceramente que as vendas da Nissan Portugal desçam como resultado de tudo isto, sem que afete ainda mais a mobilidade elétrica em Portugal! Quantas ‘conversões’ não terão sido adiadas para a compra do próximo carro graças a esta brincadeira?
"

Telmo, concordo que no panorama geral poupou dinheiro, acredito que o próprio dono aceite isso mesmo e caso contrário nem teria comprado o carro... Mesmo o dono da viatura, até os 9.000€ aceitou (apesar de serem quase o dobro), o problema foi o orçamento superior a 25.000€!! Caso não tivesse feito barulho, iria descer na mesma? Caso tivesse aceite, iria agora a Nissan devolver quase 20.000€? Porque não foi a bateria entregue a tempo e hora quando aceitou o orçamento de 9.000€? Nem prazos sabiam dar... 2 dias depois já sabiam tudo... Por 16.000€ a mais...
 

Hugo Pardal

New member
estamos a falar de um carro de trabalho...

quantos serviços é que ele não fez por trabalhar 100km e ter de parar 30min para carregar em comparação com trabalhar 800km e parar 5 min para carregar?

tempo também é dinheiro para quem ganha ao serviço prestado!

por isso essas contas não são assim tão lineares de fez X kms gastou y de eletricidade e num carro a combustão tinha gasto z de combustível.
 
Top Inferior