Amónia como veículo de hidrogénio

João Prates

Archie Bunker
Podes enviar-me alguns desses estudos, para refrescar o que sei? Já há uns anos que não revejo isso.
Ui, não tenho nenhum fixo nos meus bookmarks, mas é tema que encontras com toda a facilidade perguntando ao Dr. Google... por exemplo isto:

Portugal by the way tem o recorde do preço da energia mais baixo no fotovoltaico, um valor absurdamente baixo também pelo tipo de contrato e condições que o Governo oferece aos investidores. Podes ler mais algo sobre isso aqui mesmo na casa.

o nuclear. Essa não pode baixar - apesar de ser a energia mais segura de todas - outra conversa
Nesse ponto estamos em desacordo, não só nos riscos mas essencialmente no que vai para além dos riscos, o lixo que gera para gerações futuras por milénios infinitos.
Também já discutimos esse tema em vários posts, entre os quais este aqui. Agora se por "nuclear" te referes a fusão em vez de fissão, aí partilho do sonho, como já referi aqui.

A origem do LOHC é pouco relevante, dado que é usado só como transporte - vai e volta.
Errr.... ainda é muito meio de transporte que tem de ser gerado...
Percebo o teu ponto de vista, só "custa" uma vez, mas ainda assim é muito em termos absolutos; se a origem não fosse fóssil seria excelente.

Note-se contudo que o combustível transportado será maior (por menos denso energeticamente).
Certo. Mas como em tudo depende do ponto de vista.
O ponto de vista de quem defende esta tecnologia é de que não vamos lá (redução de efeito de estufa) sem utilizar H2 para os grandes consumidores, e portanto o que importa é comparar formas de transportar o H2, no fundo comparar soluções para a cadeia de abastecimento.

Nesse particular estão a comparar utilizar os tais LOHC vs. utilizar H2 comprimido ou liquidefeito, que necessitaria ainda de maior quantidade de "viagens" para transportar a mesma quantidade de energia.
Dito de forma sucinta: A densidade energética do H2 transportado por LOHC pode ser inferior ao diesel, mas como temos de abandonar o diesel sob pena de tornarmos o planeta inabitável para a espécie humana isso pouco importa, o que importa é que a densidade energética dos LOHC é bastante superior ao H2 comprimido/refrigerado.

No sentido em que continuariam a existir, deixando de extrair do solo, mas usando uma parte significativa da infraestrutura existente.
Bom ponto de vista, muito obrigado pela ideia refrescante, não tinha ainda pensado assim!
Isso de facto seria muito bom, mas implica mudar completamente de modelo de negócio, não vai ser fácil para esses gigantes, e com o passado totalmente desonesto que têm nas costas tudo o que prometerem fazer, mesmo que sejam reais e honestas intenções, vão sempre ser postas em causa (e justamente, diga-se!).
 
o caminho faz-se caminhando.
a revolução energetica começou, acredito que existem muitas e boas novidades a breve prazo se houver vontade e dinheiro.

tomem nota, qualquer desenvolvimento será tanto mais rápido quantos maiores forem os recursos que lhe estiverem afetos. tomem o exemplo da vacina covid, desenvolvimento em menos de um ano
 
Top Inferior