A medição de consumos dos PHEV - a simplificação enganosa do WLTP europeu

Bruno R. Almeida

Well-known member
Boa tarde,

A questão fiscal não pode ser tão linear sob pena de existir injustiças ou fugas.

A maneira mais "fácil" seria adotar um sistema idêntico ao utilizado nos "cartões frota": onde a AT pudesse aceder a dados de consumo de combustível vs km efetuados e a existir beneficio fiscal seria num rácio que permitisse que utilizadores que mais vezes carregam os seus PHV pudessem então usufruir desse beneficio.
 

Joao Ferreira

Moderator
AT pudesse aceder a dados de consumo de combustível vs km efetuado
epá calma Bruno... a AT já sabe demais... grosseiramente até conseguiam fazer essa analise com a informação que já possuem. Fatura (cae do fornecedor) + IUC (combustivel e viaturas do contribuinte) + Preço medio dos combustiveis = big brother colossal!!!
 

Bruno R. Almeida

Well-known member
@Joao Ferreira,

desculpa talvez o extremismo, mas quem não deve não teme!

Não tenho qualquer problema em declarar a AT os meus consumos energéticos.

No passado (quando tinha o ImBativel) também não o teria se para isso contribuísse para uma maior equidade fiscal.

No meu caso, se sou poupadinho, se me preocupo com a minha carteira e ambiente, porque não ter vantagens fiscais? Vs alguém que tem um SUV V16, 1.000lt/100km?
 

João Prates

Moderator
CKL
Ora que belo exemplo de um jornalista auto... que supostamente deveria saber do tema sobre que fala, e de experiência, mas os argumentos técnicos são o mais escandalosamente falsos:


Quanto à legislação, e a que é referida é a Espanhola, evidentemente que é absurda e não faz qualquer sentido.

Mas mais que odiar os híbridos por causa da legislação, que já de si seria trágico, o pior é que este indivíduo odeia os híbridos porque só olha para os maus exemplos e não sabe o que é um HV a sério, muito simplesmente.

O exemplo entre os dois modelos Ford é claro como água, e só vem reforçar o que temos dito:
As pessoas comuns não sabem distinguir os bons do maus híbridos e/ou PHVs, e pelos vistos nem sequer os jornaleiros sabem, portanto está tudo perdido.

Parabéns a todas as marcas que assassinaram um conceito e uma tecnologia que era perfeita, e a converteram nesta vergonha pública.

É triste.
 
Última edição:

Telmo Salgado

Moderator
Diz que tirou engenharia mas isso não chega para ter a visão técnica necessária para esta análise. Ao falar da "bateria mais motor" e da suposta ineficácia dos HV em estrada/autoestrada esquece-se de como opera um MCI eficiente, como o Atkinson - que o sujeito nunca referiu.
JFCalero também não parece estar muito à vontade com estas motorizações mais eficientes, mas pelo menos fala bem delas.
 

Joao Ferreira

Moderator
o problema é que grande parte dos consumidores de hoje em dia são acéfalos e sem capacidade de auto critica... depois aparecem estes "iluminados" no youtube a vender a banha como eles bem querem e o pobrezinho lá vai na cantiga...
 

Nuno Cardoso

Active member
Aqui está um artigo da BBC sobre os PHEV em que o titulo (Plug-in hybrids are a "wolf in sheep's clothing") resume grande parte aquilo que se tem vindo a falar sobre a poluição - https://www.bbc.com/news/science-environment-54170207 .

Não sou contra os PHEV e até seria um veículo que se adequava perfeitamente ás minhas necessidades, mas por razões monetárias não me foi possível adquirir, no entanto, a poluição como referem depende muitas vezes do tipo de condução de cada um. Se um hypermiller vai tentar ao máximo extrair o máximo de autonomia da sua viatura, muitos outros condutores não estão preocupados com a condução não carregando em muitos casos a poluição emitida pela viatura, conforme é dito no artigo.

Eu até penso que o artigo é simpático ao dizer que os PHEV's que são usados de forma errada produzem cerca de 120 g de CO2/km, porque como vemos a maior parte deste tipo de viaturas vem com motores sobredimensionados e famintos de combustível além do seu próprio peso.

E mais uma vez como diz no artigo nas medições oficiais das viaturas é considerado o uso correto das mesmas, pelo que, na minha opinião, realmente faz sentido a indicação do consumo do MCI sem a interferência da bateria, para que as pessoas tenham um pouco mais de consciência do quanto lhes vai pesar na carteira abastecer esses PHEVs com 200/300/400 cv de potencia bem como o custo ambiental se não os usarem corretamente.
 
Top Inferior