06 - Potências standard dos Postos de Carregamento Normais (PCN)

João Prates

Moderator
CKL
POTÊNCIAS

Qualquer wallbox (equipamento de instalação fixa) ou EVSE (equipamento portátil) pode ser considerado um posto de carregamento normal.

Na indústria de fabricantes de postos de carregamento existem 2 standards de facto que resultam em 4 combinações possíveis:
  • Monofase ou trifase
  • 16 A por fase ou 32 A por fase
Já vimos neste outro tópico que a potência é obtida multiplicando a tensão pela corrente, portanto para valores nominais vamos obter:
  • 16 A x 1 fase x 230 V = 3,68 kW
  • 32 A x 1 fase x 230 V = 7,36 kW
  • 16 A x 3 fases x 230 V = 11 kW
  • 32 A x 3 fases x 230 V = 22 kW
Os valores acima são os valores máximos permitidos por cada tipo de carregador, sendo que naturalmente o valor de potência realmente utilizado é determinado pela viatura.
É a viatura que consome/"puxa" corrente do posto, dentro do limite por este suportado, e não o posto que força/"empurra" corrente à viatura.

Importante também é perceber que o verdadeiro carregador, o equipamento que carrega a bateria com corrente contínua a partir da corrente alterna, faz parte da viatura, não é o posto de carregamento!
Todas as viaturas dispõem do chamado on-board charger, com características técnicas próprias de cada modelo, com normas de comunicação com o posto de carregamento para compatibilidade universal.

É esse carregador on-board que vai determinar qual a potência de carregamento, se monofásica ou trifásica, e qual a curva de carga (variação da potência ao longo do carregamento).
O posto de carregamento é apenas uma fonte de energia com protecções para pessoas e viaturas e opcionalmente outras funcionalidades de conforto, não determina per si o ritmo de carregamento!

O parágrafo anterior será verdadeiro enquanto o posto de carregamento conseguir suprir os pedidos de potência do carregador on-board da viatura.
Naturalmente que se a viatura quiser carregar a 22 kW (trifásico 32 A) e o carregador só suportar por exemplo 3,7 kW (monofase 16A), a viatura vai carregar 6 vezes mais lento do que poderia fazer.

No momento em que escrevemos este post a grande maioria dos veículos eléctricos e plug-in do mercado carregam em monofase, o que não se compreende para algumas capacidades de baterias actuais.
No caso do carregador on-board da viatura ser monofase, de nada serve utilizar um posto de carregamento trifase, porque o veículo só vai utilizar uma das fases disponíveis para carregar a bateria.

REGRA DO ELO MAIS FRACO

No carregamento AC de uma viatura eléctrica ou plug-in existem sempre 3 equipamentos intervenientes, 2 activos e um passivo:
  • O posto de carregamento
  • O cabo de ligação da viatura ao posto de carregamento
  • O on-board charger da viatura
Os cabos de carregamento utilizados nos postos de carregamento com tomadas standard Type 2 (vulgo Mennekes) são também eles determinantes para a velocidade de carregamento.
Para além dos 2 condutores de comunicação e do condutor de terra, eles podem conter apenas 2 condutores para 1 fase, ou 4 condutores para 3 fases, e suportar 16 A por fase ou 32 A por fase.

De nada serve por exemplo possuir um posto trifase e uma viatura que suporte carga trifase, se o cabo só tiver condutores para 1 fase.
Da mesma forma de nada serve ter uma viatura que suporte carregar a 22 kW de potência (trifase 32 A), se o posto for monofase 32 A, e mais exemplos se podem imaginar.

Para carregar em trifase TODOS os intervenientes têm de suportar trifase, o carregador, o cabo e a viatura, ou o carregamento será efectuado em monofase.
Para carregar a 32 A todos os intervenientes têm de suportar esse nível de corrente, ou o carregamento será efectuado pela corrente suportada pelo elemento mais fraco.

Muito frequentemente clientes de viaturas com on-board chargers de 32A monofase (os mais comuns) pedem carregadores trifásicos para carregar o carro mais depressa.
Uma empresa de poucos escrúpulos pode aproveitar e vender equipamento trifase mais caro, mas o cliente não ganharia 1 segundo sequer de tempo de carregamento, é preciso esclarecer!

Por outro lado se o cliente pretender um posto de carregamento universal, que suporte a velocidade máxima permitida a qualquer viatura que lá se ligue, então sim, 22 kW é a opção certa.
Nunca esquecer no entanto que a potência contratada tem de ser forçosamente superior ao valor a fornecer pelo posto de carregamento, excepto se instalar gestão dinâmica de cargas.
 
Última edição:
Top Inferior